AGÔ

Foto: Wendell Wagner

 

Ganhar as ruas, embora virtualmente, é um paradoxo do nosso tempo que também marca a Laroyê 2, ao percorrer o caminho da poesia e da arte visual assinadas por quem vive em plena conexão com a Bahia.

 

Encruzilhando versos, ensaios, textos e projeto gráfico de artistas dedicados a apresentar trabalhos inéditos, esta edição também abre espaço ao que já foi publicado e se tornou referência, a exemplo do mais sagrado dos livros profanos de Mario Cravo Neto.

 

Nos poemas, além de brados-denúncia mais do que urgentes, nos deparamos com uma cidade exposta em fragmentos, em recortes que ilustram a nossa condição de famintos por uma vida sem asfixia, por alguma perspectiva em meio ao desalento.

 

Os ensaios fotográficos, guiados pela verve e generosidade de seus autores, se debruçam sobre as representações de Exu ancestral nas ruas de Salvador, os retratos captados com maestria, a força feminina no sertão, os destroços de uma ponte, os jovens da periferia rotulados pelo preconceito e ainda uma celebração às divindades na África profunda.

 

Cada página da Laroyê, dessa forma, nos revitaliza.

Insere em nosso cotidiano exaustivo alguma leveza.

Deixa fluir em nós a mais legítima vibração do

 

Asè.

 

 

Tom Correia

Curadoria e edição

Acesse a Revista